VocÍ estŠ aqui: Fique Amiga Dela --> Alterações da Flora --> Parte 3

Vaginose bacteriana

O que é? O corrimento vem amarelo ou branco-acinzentado, com um cheiro forte de peixe, que piora durante as relações sexuais e na menstruação.

É o nome atual de uma infecção vaginal que até há pouco tempo recebia vários nomes: hemófilus vaginal, infecção vaginal inespecífica, gardnerella vaginal.

A vaginose bacteriana, apesar do nome, não é causada por nenhum micróbio ou bactéria em especial. Ela é um desequilíbrio ecológico da vagina, causado pela falta das bactérias “protetoras” e pelo excesso de bactérias “estranhas à vagina” - como as bactérias do intestino e as do esperma. Às vezes ela pode estar associada às relações sexuais primeiro pelo ânus e depois pela vagina. Se você for fazer isso, use uma camisinha para a relação anal e troque por outra para a penetração vaginal.

Algumas pessoas acham que a vaginose pode surgir sem transmissão sexual, sendo às vezes uma contaminação, por exemplo, de fezes na vagina, pelo uso inadequado do papel higiênico ou do bidê.

Por isso é importante limpar a vagina sempre de frente para trás - de trás para a frente é mais cômodo, mas pode levar fezes à vagina. Se usar o bidê, comece lavando a vulva e depois lave o ânus.

Muitos acham que o bidê não é uma boa idéia para a higiene feminina, pelo risco de contaminação por fezes que ficam nos buraquinhos do chuveiro fixo do “chão” do bidê, e que o melhor seria usar o chuveirinho móvel, com a mangueirinha.

A vaginose, além de alterar o corrimento, pode provocar algum ardor ou um pouco de coceira na vagina. Mas na metade dos casos, a mulher pode ter vaginose sem apresentar qualquer sintoma.

Portanto, em uma consulta ginecológica, deve-se pedir a(o) médica(o) para fazer um exame de bacterioscopia (um pouco do corrimento é colocado em uma lâmina que é examinada ao microscópio para análise da flora).

Embora a vaginose bacteriana seja a infecção vaginal mais comum, hoje sabe-se que quando a mulher a contrai, fica com a vagina “desprotegida”, o que facilita a entrada do vírus HIV (em três vezes) e das outras infecções transmitidas pelo sexo.

A vaginose também aumenta as chances de uma doença inflamatória pélvica e de inflamação no colo do útero. Ela também pode levar a problemas na gravidez ou na relação sexual.

Como tratar?
O tratamento médico é feito com medicamentos como o metronidazol. Dica: Como a vaginose acaba com as bactérias que protegem a vagina, é possível repor os lactobacilos colocando iogurte natural no fundo da vagina, com um aplicador de creme vaginal. Faça isso ao se deitar, pelo período de cinco dias.

Como prevenir?
Não se sabe ao certo se esta é uma doença sexualmente transmissível (DST), mas é importante que o(a) parceiro(a) seja também examinado(a) caso apresente sintomas (coceira, ardor, etc.). O uso da camisinha (masculina ou feminina) é importante para evitar a reinfecção.

Continuação | direitos autorais